Abraham mentiu nas Escrituras Sagradas? Um olhar dentro do princípio de sobrevivência

Abraham mentiu nas Escrituras Sagradas? Um olhar dentro do princípio de sobrevivência

Entre muitos pontos polêmicos que encontramos nas Escrituras Sagradas, está toda a vida de Abraham. Sabemos que ele foi o segundo patriarca, e que a semente dele iria povoar a terra, tornando-se o pai de muitas nações.

O Criador YHUH fez a primeira aliança com ele, instituindo a brit-milah, a marca do corpo masculino, revelando que o corpo com essa marca pertence a YHUH.

A Abraham foi exigido um sacrifício humano, algo abominável a vista do próprio Adon YHUH, mas que era um teste, uma lição para nós, e também já a prefiguração do Sacrifício do Cordeiro Perfeito.

O drama de Abraham vai muito além de não gerar filhos, foi uma luta de sobrevivência, conquista, ação e superação, exatamente como a história de muitos de nós.

Ele, como servo obediente do Todo Poderoso YHUH, em sua jornada, obedecendo a YHUH em cada parte do caminho, vai morar em Gerar.

Toda a região era habitada por povos de hábitos abomináveis em todos os sentidos. Se um homem poderoso quisesse a mulher de um outro homem, bastava apenas matar o homem e possuir a mulher.

E como Sarah era muito bonita, chamava a atenção, sabendo das tendências desses povos, viajando, Abraham dizia que Sarah era a sua irmã.

Sarah era ou não era a sua meia irmã?

Primeiro, existe um princípio nas Escrituras Sagradas de que a vida deve ser defendida e mantida a qualquer custo, ser mártir e dar a vida pela Lei/Torah não é algo requerido para todo mundo.

E especialmente, Abraham, que seria ele o pai de muitas nações, por isso deveria fazer o que fosse preciso para se manter vivo, inclusive violar qualquer mandamento se isso fosse salvar a própria vida.

Porém muitos dizem que ele mentiu, mas Sarah era de fato a sua meia-irmã.

Antes de a Lei/Torah nos ser revelada por escrito no Monte Sinai, os patriarcas já a recebiam verbalmente, e hoje, sabemos que muito da Torah foi escrita por Enoque, o Homem que caminhou com YHUH.

Assim, de alguma forma, e por alguma razão, o casamento com consanguíneos era permitido, mas nós temos poucas informações a respeito.

O que nós sabemos é que essa prática se tornou proibida quando recebemos a Torah de Moshe, onde lemos em Levítico 18:

6 “Ninguém poderá se aproximar de um familiar próximo para se envolver sexualmente com ela. Eu sou o Senhor.

7 "Não desonre o seu pai, envolvendo-se sexualmente com a sua mãe. Ela é sua mãe; não se envolva sexualmente com ela.

8 "Não se envolva sexualmente com a mulher do seu pai; isso desonra seu pai.

9 "Não se envolva sexualmente com a sua irmã, filha do seu pai ou da sua mãe, tenha ela nascido na mesma casa ou em outro lugar.

E segue até o versículo 18 nos ensinando os limites das nossas permissões sexuais.

Podemos concluir que Abraham, foi dirigido pelo Ruach HaKadosh ao afirmar que Sarah era a sua meia-irmã, pois foi por esse motivo que nosso Adon YHUH apareceu em sonho para Avimelech, revelando a Sua grandeza e a grandeza do Seu escolhido, protegendo-o e protegendo a sua esposa Sarah, permitindo que ambos cumprissem a promessa de se tornarem os pais de muitas nações.

Portanto, embora Abraham não tenha mentido, sabemos que ele poderia ter mentido, ou ter perdido um Shabbat, e qualquer outro mandamento se isso pudesse ter salvo a sua vida. Esse princípio de nos mantermos vivos, mostra a misericórdia do nosso Adon YHUH!

Voltar para o blog

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes da publicação.